21 março 2017
Essa semana coloquei no ar a nova versão do Rupert Grint Brasil. Essa versão do site é focado em notícias e conteúdo básico.

Usei Bootstrap, o que facilita muito a vida, especialmente quando tenho que pensar no responsivo. Também usei Fontawesome para os icons, que é uma verdadeira mão na roda. Tudo em CDN.

O menu é fixo no topo, rola junto com a página. Não me dei muito bem com o dropdown do Bootstrap.

Como o site está na plataforma Blogger do Google, as coisas ainda são um pouco engessadas e precisei ir adaptando. No entanto, ainda é uma ótima opção pra quem não quer ficar pagando hospedagem.


Desktop



Mobile



27 janeiro 2017

Essas duas doenças malvadas não tem cura, e quanto antes você descobrir se seu gatinho é positivo para uma ou para ambas, mais chances ele tem de ter uma vida (quase) normal.


Eu tenho quase 30 anos, a primeira vez que tive gato foi aos 9. Até 2016 eu nunca tinha ouvido falar em FIV e FeLV. E eu as conheci da pior forma possível: quando a minha gatinha de 8 meses, alegre e saudável, ficou muito mal, com febre, desanimada, sem comer, respirando estranho e precisou ficar internada. Foi aí que descobri: Salma é FeLV positivo.

Oi, eu sou a Salma! Felv+

Atualização: a minha princesa Salma não resistiu e perdemos a batalha contra a FeLV em 30/01/2017. Te amo pra sempre, minha bebê!

Sem nomes complicados e explicações de teses científicas, vamos ser objetivos e tentar fazer o maior número possível de gateiros e gateiras conhecerem essas doenças que causam sofrimento em nossos amiguinhos e muitos, infelizmente, não resistem. Neste post falo mais de FeLV do que de FIV, em função da minha experiência com a doença da Salma.

Eu pesquisei muito sobre FeLV principalmente e faço parte de um grupo de donos de FeLVinhos no Facebook, o FeLV - Leucemia Felina, onde trocamos experiências e esperanças. Todas as informações são baseadas nas minhas pesquisas e troca de experiências.

Em primeiro lugar: leve o seu gato ao veterinário com frequência. Isso é muito importante. O médico veterinário é capaz de identificar coisas que a gente nunca repararia se ele não examinasse e investigasse. Por mais experiência que um dono de gato possa ter, APENAS o PROFISSIONAL é capacitado para te fornecer informações precisas e receitar remédios/vitaminas pro seu gato. PROCURE UM VETERINÁRIO.

O que são FIV e FeLV?
FIV = Aids Felina
FeLV = Leucemia Felina

Têm cura?
Não.

Têm tratamento?
Sim, pra controlar sintomas, infecções, anemias e aumentar a imunidade.

São transmissíveis?
Sim, somente entre gatos.

FIV: através da saliva - pelas mordidas - e arranhões de gatos infectados, através das relações sexuais ou pela placenta da mãe já infectada e amamentação.

FeLV: pode pegar da mãe ainda na barriga ou na amamentação, por contato direto entre gatinhos (quando se lambem, dividem o pote de água/comida e caixa de areia).

Têm prevenção/vacina?
Sim, procure seu veterinário, faça o exame primeiro.

É muito importante saber que os sintomas podem surgir de uma hora pra outra. E sabendo que os Felvinhos e Fivinhos tem problemas com a imunidade, qualquer sintoma por "menor" que pareça, é muito perigoso. Vi depoimentos de donos de gatos que seus gatinhos viraram estrelinha 1 mês depois de descobrir a/as doença/s. Por isso é importante que você saiba se seu gato tem uma delas e assim você consiga controlar os sintomas. Alguns gatos seguem com vida normal (com certos cuidados), por anos.


Quando você deve fazer o exame pra diagnosticar FIV e FeLV?


1 - Se você já tem um gato grande em casa e não sabe se ele tem FIV ou FeLV:  FAÇA AGORA. 
"Mas ele não sai de casa" FAÇA. O gato pode pegar FeLV das mamães e pode ser assintomático. Pode não apresentar sintomas por anos, mas pode desenvolver de uma hora pra outra.

2 - Você adotou um gatinho, filhote, juvenil ou adulto? FAÇA o mais rápido possível.
"Mas eu adotei de uma pessoal confiável". Se ela já tiver feito o exame no gato OK, se não fez, não importa o quão legal e responsável a pessoa seja, leve o gato para fazer o exame. Sabendo que o gato ainda não desenvolveu sintomas é muito mais fácil de manter a imunidade dele de boa.

3 - Você já tem um gato e vai adotar outro? FAÇA agora, antes do novo chegar.
Antes de pensar em adotar outro gatinho, faça o exame no que você já tem. Se ele for positivo que ainda não desenvolveu sintomas e sofrer estresse de um novo gato chegando em casa (quem já passou por isso sabe o quanto é estressante) os sintomas podem aparecer.

4 - Seu gato não tem FIV e FeLV e você vai adotar outro gato? FAÇA no novo antes de terem contato um com o outro.
Certifique-se que o novo gatinho não tem essas malandras. "E se tiver? Vou deixar de adotar o bichinho?" De jeito nenhum! Você vai vacinar o gatinho que não tem, ANTES deles terem contato. Depois é só alegria.

IMPORTANTE: Não deixe de adotar um gatinho só porque ele tem FIV e/ou FeLV. Alguns gatos convivem com essas doenças. Por isso é importante que você saiba mais sobre elas o quanto antes. FIVinhos e FeLVinhos precisam de cuidados e muito amor!

Resumindo: se você que tá lendo isso tem um gato, você TEM que fazer o exame de FIV e FeLV nele, um exame detecta as duas doenças. Não é tão caro, nem tão barato. Aqui em São Paulo o preço saiu por volta de R$160,00. Pode parecer muito, mas comparado ao que estou gastando com  internações, anemia, infecções, inflamações, exames, comida, remédios, isso não é nada.

Nota: é recomendável fazer o exame duas vezes pois o exame pode dar falso negativo ou falso positivo. Consulte seu veterinário sobre o intervalo da repetição.

Eu sei que nem todo mundo tem condições pra isso, algumas pessoas têm muitos gatos, e é algo que sairá caro. Mas vale a pena pesquisar clínicas populares ou hospitais veterinário públicos (infelizmente achar um deles não é tão fácil quanto desejamos).

Gostaria de ter tido alguém pra me convencer da importância de fazer esse exame na primeira visita da Salma ao veterinário. Faço um apelo aos veterinários para sempre sempre sempre pedirem e insistirem pros donos fazerem esse exame.

Nunca pense que o veterinário está querendo te tirar dinheiro, te mandando fazer vários exames, afinal ninguém seguiria essa profissão se em primeiro lugar não amasse os animais. Confie neles, eles sabem o que estão fazendo,  e assim como você, eles querem o melhor pro seu gato.

Não espere seu gato ficar doente pra fazer esse exame!!! Uma vez que a doença avança e os sintomas pioram, fica tudo mais difícil de lidar, a casa inteira sofre. E apesar dos grandes esforços dos veterinários, essas doenças são cruéis demais, cheia de altos e baixos.

Mas também não perca a esperança se seu gatinho começar a ficar doente. Nós temos o dever de retribuir todo amor que recebemos desses seres especiais! Lembre-se que as pessoas de casa são as únicas no mundo que seu gato confia. Fique com ele até sua missão ser cumprida: ele veio pra te amar até o fim. <3

Não se desgrudam! Muelxa é vacinada e Salma FeLV+


Até mais!




22 dezembro 2016
Em dezembro de 2015 eu vim passar a virada do ano aqui em São Paulo. Surgiram duas oportunidades de emprego, uma em janeiro e outra em fevereiro, que deu certo. E emprego era tudo que faltava pra eu me mudar pra São Paulo.

Cá estou morando em São Paulo, andando de metrô todo dia, e tendo meu sotaque imitado exageradamente toda vez que eu preciso falar com alguém. "Você é do Rio?! É meiiiixxxxxxxxmu, mermão eaeeiêi, tá sentcheendu faltaah de pegaear uma praia?". Ahm. Não.

Pode parecer normal pra você, mas abaixo as coisas que me chamaram atenção morando há um ano aqui:


1 - Dogão paulistano não tem ovo de codorna.
Tem até purê de batata mas não tem ovo de codorna, e ainda tem a coragem de chamar de "completão". Pra mim, um cachorro-quente só é completo se tiver um ovo de codorna pra finalizar a montagem. É a nossa cereja do bolo.



2 - As pessoas viajam pra ir à praia.
"Nesse feriado vamos viajar pro litoral"


Passei a vida toda só precisando pegar o 748 Cascadura - Barra da Tijuca pra colocar meus pés na areia da praia. Nem quem mora em Madureira precisa viajar pra isso. Claro que você pode viajar pra Cabo Frio, mas pode pegar o ônibus e ir pra Barra.

3 - As pessoas aqui se arrumam MUITO só pra ir ao Shopping.
É sempre um desfile de moda. Me sinto uma extraterrestre.



Eu arrumo briga toda vez que saímos porque quero ir de chinelo. Eu tô indo no supermercado ou banco ou almoçar na cantina na rua de casa, não numa festa. Fernando tem que passar até gel no cabelo.

4 - Milho cozido é vendido no pratinho.
Juro. A primeira vez que comprei um milho na saída do metrô na Av. Paulista foi um choque. O cara pegou a espiga e passou a faca nos caroços e colocou tudo num pratinho.



Moço... era só colocar na palha do milho mesmo :(

5 - Existe o "Jogos vorazes" do metrô.
As MESMAS pessoas se comportam diferente em diferentes linhas do metrô.
Na linha amarela = faz fila, espera as pessoas saírem do vagão", passou pra linha verde = SAI DA FRENTE QUE EU VOU PASSAR PRA FICAR EM PÉ PRIMEIRO.

Deve ter algum portal, algum feitiço em algum lugar entre as estações Paulista e Consolação.

6 - A água tem gosto muito ruim. 
Mesmo água filtrada. Tem gosto de cloro. Ou terra. Não bebo água na casa de ninguém porque não tenho cara de pau pra perguntar se é mineral.


PS. Nunca bebi nem cloro nem comi terra.

7 - Estação Pinheiros é o ponto do Brasil mais próximo do Japão.

Mas que raio de estação profunda. As plataformas de lá são tão profundas que uma vez um cara caiu numa tampa de esgoto de lá e saiu no Japão antes que a gente conseguisse chegar nas catracas pra sair da estação. Essa piada à la Praça é Nossa é quase séria.


Até pra descer de escada rolante cansa.

8 - Motoristas de ônibus e cobradores que não usam uniformes.
Raramente vejo algum usando pelo menos camisa da empresa. Pra quem viu a vida inteira motoristas e cobradores de ônibus trabalhando de calça e camisa social, isso me chamou atenção.

Fico imaginando que nunca vou saber se foi um maluco qualquer que sequestrou o ônibus e tal.

9 - As pessoas sempre dizem a "zona" que moram.
"Moro na zona leste".
Gente, não faço a menor ideia do que isso significa.

10 - Sempre ando demais pra achar uma lixeira na rua.
E às vezes só tem lixeira de um lado da rua. E nem sempre é fácil atravessar essa rua.

E eu não vou jogar lixo no chão, né. Isso é coisa de paulista. BRINNNNKS.

11 - Muitos dos lugares que vou me lembram a Taquara, o Pechincha ou o Tanque.
Não sei explicar, apenas sentir.


12 - Os bairros chiques de São Paulo são MUITO chiques mesmo, mas não tem praia.
Se tivesse, São Paulo se chamaria São Rio de Janeiro de tão bonito.

De verdade, dão de 7 a 1 nas Copacabana, Leblon, Ipanema etc.

13 - Tem coisa que é estranha de tão boa que é 
Se locomover em São Paulo é muuuuuito mais fácil do que no Rio. Não quero outra vida a não ser andar de metrô e ônibus em corredor exclusivo. No Rio eu não andava de metrô, não tinha nem mesmo uma estação mais próximazinha de casa.

Só me chamem pra sair se for perto de metrô.


14 - Os paulistanos não são estressados como dizem.
A maioria até responde o meu bom dia. E apesar das piadas com meu sotaque ninguém nunca me fez sentir mal recebida na cidade da garoa, que só passo calor, e que também tem mais árvore do que a gente imagina (E DE VERDADE, NÃO É CENOGRÁFICO).


Quem sou eu?

Prazer, Marcelle.

Olá, eu sou a Marcelle. Carioca, jornalista, mãe de três gatinhos vira-latas adotados. Leitora voraz e fã do combo sofá + TV (ou poltrona e telão). Moro em São Paulo, trabalho com produto digital e sou apaixonada por desenvolvimento de web.

Minhas redes sociais

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *